Além do espetáculo

257 de 365

Leave a comment

ou como é que acontece?

é como se fosse ser uma sombra, sabe, sei que você não sabe, mas finja que sabe pra que a gente possa continuar essa conversa, então é como se fosse ser uma sombra, ou aquele sonho breve que escorre da sua mente quando você abre os olhos, ninguém mais lembra de você, sim, você esteve lá, mas, sabe, como é que dizem mesm– objetivar, as pessoas não objetivam você na memória delas aí quando por acaso alguém diz, lembra dela?, alguma memória distante, quase irreal, mais irreal que o sonho até, emerge de repente, siiiiim, com o i bem demorado, pra ir puxando mais fios no novelo da memória, toda enroscada, então, é mais ou menos isso, uma sombra na memória, uma mancha, desfocado, nem o rosto você lembra mais direito, só sabe que era alguém, lembrei agora de uma música de the doors, i can’t see your face in my mind, não importa muito quem, mas alguém, mas você faz isso por que quer, por que gosta, qual a razão, sabe, é aquele tipo de coisa que não é bem controlado, assim, de repente, você se dá conta e é isso mesmo, sem saber muito porquê nem como nem nada, lembrei agora de chico, sabe teresinha? o terceiro me chegou como quem chega do nada, na na na na na na, foi chegando sorrateiro e antes que eu dissesse não, é mais ou menos assim que acontece

257_2

Author: Eduardo Souza

Talvez nunca vivesses nem estudasses nem amasses nem cresses, porque é possível fazer a realidade de tudo isso sem fazer nada disso. alemdoespetaculo.wordpress.com animusmundus.wordpress.com

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s